M.Espírita

Sorte ou merecimento?

A palavra sorte costuma ser muito utilizada.

Em face de algum acontecimento significativo, fala-se em boa ou má sorte.

Diz-se que algumas pessoas têm muita sorte.

A vida parece lhes sorrir.

Têm grandes amigos, saúde, bom emprego, família equilibrada.

Já para outros a vida não é tão risonha.

Vivem a braços com grandes dificuldades.

Relacionam-se afetivamente com pessoas indignas.

Seus empreendimentos profissionais não obtêm sucesso.

Sua saúde costuma oscilar.

São muitas as formas pelas quais se tenta explicar e contornar a má sorte.

Consulta-se a posição das estrelas no momento do nascimento.

Fazem-se pequenos rituais, a fim de obter conjunções propícias.

Em face de sucessivos desgostos, há quem afirme ser uma questão de carma.

A pessoa imagina estar destinada ao sofrimento e à derrota.

Ocorre ser mais correto raciocinar em termos de lei de causa e efeito.

Leia mais:Sorte ou merecimento?

Um mundo para nossas crianças

Ante tantas guerras e rumores de guerras, atentados terroristas que roubam a paz das gentes simples, é de nos perguntarmos: que mundo estamos construindo para nossos filhos?

O que ofereceremos para esses pequenos que apenas desabrocham para a vida física?

O que estamos preparando para seus olhos, para seu futuro?

Importante seria se nos preocupássemos em construir um mundo onde eles pudessem viver o amanhã, mantendo o brilho no olhar.

Com menos tristeza estampada na face. Menos dor pela perda prematura dos pais.

Menos desencanto por verem partir seus amigos e encontrar tantos bancos vazios na escola.

Um mundo em que as pessoas pudessem andar livres pelas ruas, sem temer balas perdidas, arrastões ou manifestações agressivas.

Um mundo onde todos se unissem para vencer a enfermidade, a fome, a miséria, que ainda existe em tantas vielas da Terra.

Onde cada qual pensasse no melhor para a sua família e para o seu próximo.

Leia mais:Um mundo para nossas crianças

Aja enquanto é tempo

Os homens são os artífices de seu destino.

Essa verdade é constatada mediante singela observação do mundo que os cerca.

O aluno estudioso tira boas notas, passa por média e não se angustia com exames e repetências.

Já o estudante preguiçoso está sempre envolto com notas baixas e reprovações.

O profissional competente costuma ter mais clientes do que consegue atender.

Vagas que exigem maiores qualificações permanecem abertas por longos períodos, embora haja muitos desempregados.

Sem dúvida, ninguém está livre de percalços.

Uma pessoa inteligente e preparada pode ser surpreendida com desemprego ou momentos profissionais difíceis.

Mas as crises são mais frequentes para aquele que não tem formação sólida e fama de profissional competente.

Assim, quem opta por assistir novelas em vez de estudar não pode reclamar se o sucesso não bater em sua porta.

Mesmo no âmbito das relações pessoais, cada um vive as consequências de seus atos.

Leia mais:Aja enquanto é tempo

Sejamos...

Se você não puder ser um pinheiro no topo da colina, seja um arbusto no vale – mas seja o melhor arbusto à margem do regato.

Seja um ramo se não puder ser uma árvore.

Se não puder ser um ramo, seja um pouco de relva, e dê alegria a algum caminho.

Se não puder ser um perfume raro, seja então apenas uma tília; porém, a tília mais cheia de vida do lago.

Não podemos ser todos capitães, temos de ser tripulação.

Há alguma coisa para todos nós aqui. Há grandes obras e outras menores a realizar.

E é a próxima a tarefa que devemos empreender.

Se você não puder ser uma estrada, seja apenas uma senda.

Se não puder ser o sol, seja uma estrela. Não é pelo tamanho que terá êxito ou fracasso.

Mas seja o melhor que puder, independentemente do que seja.

Leia mais:Sejamos...

A ajuda inesperada

Ele era o chefe do departamento de um grande hospital. Era o Dr. Figurão. Arrogante. Detestado pelas enfermeiras, por muitos dos seus colegas e auxiliares.

Ele era um problema no hospital. Mas, quem lhe diria essa verdade?

Certo dia, reuniram-se colegas, enfermeiras e demais profissionais para decidirem o que fazer com aquele homem.

Ninguém mais o suportava. Em meio a críticas sem fim, uma enfermeira tímida, jovem, atreveu-se a dizer que gostava daquele médico.

Os olhares a fulminaram. Adquirindo coragem, ela contou:

Vocês não conhecem esse homem. Eu fico à noite.

Esse homem faz suas visitas nesse período. Quando todos se vão, ele entra no quarto de um paciente, de forma arrogante. Quando sai, seu rosto está abatido.

Entra no quarto seguinte, e quando sai, seu rosto está mais abatido. Quando sai do último quarto, ele parece devastado. Isso acontece todas as noites.

Ante o relato que a todos espantou, disseram que ela devia tentar falar com ele. Ela relutou. Afinal, era só uma enfermeira. Temia a questão da hierarquia hospitalar.

Leia mais:A ajuda inesperada

CEP Concórdia