M.Espírita

Assuntos pendentes

É comum termos alguns assuntos pendentes, em nossa vida. Algo que sabemos que devemos resolver, mas que vamos adiando.

O assunto foi focalizado, de uma forma delicada e inusitada, em um filme japonês, lançado no ano de 2015.

A trama envolve a morte, por afogamento, de Yusuke, mergulhando a esposa Mizuki numa espécie de torpor. Os dias se arrastam e ela realiza as tarefas mecanicamente, sem ânimo. Está morta em vida.

Por três anos consecutivos, ela prepara a comida preferida do marido, na data festiva que celebra os que partiram.

No terceiro ano, o Espírito do marido lhe aparece e diz que quer que ela conheça as pessoas com quem ele convive nos últimos anos.

Apesar da estranheza da situação, a esposa o acompanha numa jornada que altera completamente sua forma de encarar a vida e a morte.

Ele a leva para pequenas cidades e aldeias, onde gente simples vive em contato com a natureza, e lhe mostra a beleza de viver.

Por onde passam, Yusuke é recebido com grande alegria, e Mizuki descobre que ele havia ajudado muitas pessoas a enfrentar seus problemas e tristezas.

Ela compreende que aquelas pessoas também haviam morrido, mas não sabiam disso, e continuavam sua rotina até que conseguissem perdoar, serem perdoadas ou resolvessem assuntos pendentes que as preocupavam e retinham na Terra.

Yusuke as auxiliava a tomar conhecimento da sua condição, para que pudessem se libertar.

Nessa viagem-sonho, Mizuki se liberta da dor e da mágoa. Perdoa o marido e o deixa prosseguir sua jornada, enquanto ela volta à sua vida, na Terra.

Leia mais: Assuntos pendentes

Para onde vamos durante o sono

Era manhã de sol nas proximidades do mar.

A esposa despertara ansiosa por narrar ao marido a experiência que tivera na noite anterior.

Estavam fisicamente separados por cerca de cinco dias, em cidades diferentes, e a saudade batia forte.

Há mais de trinta anos que dividiam a mesma cama, a mesma vida, e qualquer rápida separação era sentida por ambos.

Tomando do telefone, ela lhe conta que, na noite anterior, tivera uma sensação muito especial.

Deitada na cama, nos primeiros instantes do sono, sentira o perfume dele, como se ele tivesse acabado de sair do banho, e se colocado ao seu lado, como sempre o fazia em casa.

Além do aroma agradável, percebeu uma presença muito forte, como se ele realmente estivesse ali.

Virou-se rapidamente, mas não havia ninguém.

O marido, do outro lado da linha, ouvia tudo também emocionado.

Quando ela terminou a narração, foi a vez dele dizer:

Leia mais: Para onde vamos durante o sono

Buscando a felicidade

Ser feliz é perseguir a realização dos sonhos, e entender que o mundo pode ser um lugar de alegrias.

Ser feliz é se entusiasmar com tudo o que podemos fazer hoje, e que talvez amanhã não possamos mais.

Ser feliz é espantar a tristeza, as preocupações, o desânimo para longe. E viver.

Ser feliz é ter Deus no coração e a certeza de que Ele jamais nos faltará.

Ser feliz é amar, sorrir, cantar, é iluminar tudo ao nosso redor.

Ser feliz é conseguir derrubar as barreiras do preconceito, que nos separam das demais pessoas.

Ser feliz é abrir as jaulas onde nos trancamos com nosso egoísmo e orgulho.

Ser feliz é ser capaz de trocar o cultivo do sofrimento por bênçãos de aprendizados.

Ser feliz é ter a certeza da presença de Deus, transformando a vida em hino de glória.

Ser feliz é fazer do amor as asas que nos permitirão alçar voos a imensas alturas.

Leia mais: Buscando a felicidade

Um simples número errado

Você já recebeu alguma ligação equivocada? Alguém que telefona, por vezes, a horas mortas, fazendo com que seu coração se sobressalte e pareça bater descompassado no cérebro?

É bem possível que isso tenha ocorrido a muitos de nós.

Pessoas se equivocam ao digitar o número e a ligação nos chega e, antes que possamos esclarecer que não somos quem elas pensam, despejam o seu palavreado de forma desenfreada.

Esclarecido o equívoco, a pessoa se desculpa, e nada de extraordinário ocorre.

Mas, e se a pessoa que telefona é alguém em dificuldades e que esteja pedindo socorro?

A situação inusitada aconteceu com um gerente de vendas de automóveis, de nome Dang Vuong, no Reino Unido.

A idosa, do outro lado da linha, pensando se tratar da filha, com quem desejava se comunicar, foi logo dizendo que escorregara no banheiro enquanto tomava banho.

Ela parecia muito assustada. Dang não hesitou. Disse que ela ficasse calma que ele a iria socorrer.

Num primeiro momento, pensou que ela residisse do outro lado da rua. No entanto, logo descobriu que morava bem mais longe. Quase cinco quilômetros do seu local de trabalho.

Leia mais: Um simples número errado

Ano novo

Hoje é o dia que dá início a um novo ano.

É o dia primeiro. Todos queremos iniciar mais um ano com esperanças renovadas. É um momento de alegria e confraternização.

As rogativas, em geral, são para que se tenha muito dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender.

Mas será que se tivermos tudo isso teremos a garantia de um ano novo cheio de felicidade?

Se Deus nos dá saúde, o que normalmente ocorre é que tratamos de acabar com ela em nome das festas. Seja com os excessos na alimentação, bebidas alcoólicas, tabaco, ou outras drogas não menos prejudiciais à saúde.

Não nos damos conta de que a nossa saúde depende de nós.

Dessa forma, se quisermos um bom ano, teremos que fazer a nossa parte.

Se pararmos para analisar o que significa a passagem do ano, perceberemos que nada se modifica externamente.

Leia mais: Ano novo

CEP Concórdia